quinta-feira, 30 de julho de 2009

Lágrimas


Choves e me entristeço. Ando sob ti, calças úmidas. Fecho o guarda-chuva roto para que tuas gotas se misturem às minhas. Sou teu choro, chuva. Eu e tu choramingamos em coro. Ouço estalidos dos calçados nas poças. Das passadas nos caminhos por ti embebidos. Acaricio folhas chorosas de ti. As árvores todas feitas em lágrimas. Sou teu chão, lágrimas de chuva! Sou teu lenço rasurado, tua toalha de mesa manchada, teu pedaço borrado de papel. Somos um segredo molhado, eu e tu. Eu feita em lágrimas tuas.