terça-feira, 12 de janeiro de 2010

My(self)





-- É possível a gente sentir falta de alguém que nem sabe o que significa?


-- Se faz falta é porque significa.


-- Falo de alguém que você praticamente não conhece. Que só viu uma ou duas vezes na vida, mas com quem teve um encontro intenso.


-- Pois esse passa a ser o significado da pessoa. Essa é a referência que você tem dela. A intensidade.


-- Talvez só eu a tenha vivido, não é? Talvez só eu sinta falta.


-- E daí? Se tal intensidade significou tanto para você, é isso que deve levar em consideração. O momento vivido. O momento real. Ele aconteceu e ninguém tasca!


-- Difícil pensar que a pessoa não é só isso (ou que não possa ser nada disso). É como se ela se transformasse em um amuleto. Como se a ideia de estar perto dela acalentasse o coração, fosse o próprio significado da felicidade, do aconchego, do amor...


-- Da carência.


-- Talvez. Talvez também da carência. Carência de ter alguém que possa amar. Que me ame. Parece tão over falar assim... Mas eu tenho vontade de encontrar alguém. Quero escolher alguém pra mim!


-- Se é o que você sente, que mal há em falar? Que mal há em sentir? Isso é vida!


-- É. Não me sentiria viva se não fosse assim. Mas queria que a intensidade continuasse. Que ganhasse força e estivesse comigo o tempo inteiro. Que essa pessoa fizesse parte de mim...


-- A intensidade faz parte de você. Talvez só você saiba dessa intensidade porque ela reflete a sua maneira de viver. Talvez só você tenha visto essa pessoa com essa intensidade porque sua leitura dos seres é sensível, profunda, vai além do que está materializado.


-- Será?


-- Já parou para pensar que você sente falta de si mesma?


(Imagem: Me, myself and I, de Rogério Silva



Um comentário:

rogerio disse...

Gostei!!! e obrigado por postar a imagem com o crédito. Acho que encaixou muito bem na idéia. abração. Rogerio