quinta-feira, 11 de março de 2010

respingos

Enchi a cara
de cidade.
Urbanizei-me.

Enchi a cara
dessa idade.
Eternizei-me.

Enchi a cara
de saudade.
Ai, minha cabeça!

---

PERD1 4 C0NT4
D05 D145
SEM T1

--




Cantou, alimentou
a mamãe pássaro
o filhote.
Caiu do ninho,
estatelou-se.
Nem sempre há sorte.

--

Perdeu o prazo
o sonho conquistado 
em prestações.
Aceita-se troca.
Não, devolução.

--
Pegou-lhe o pescocinho,
estalou: cléckti!
Parou de chorar
o bebezinho.







--


Indiscretas janelas,
teus olhos flertam
em frestas.

6 comentários:

onzepalavras.com disse...

pequenas doses de antídoto contra a monotonia acabam de respingar em mim! definitivamente, és a pausa que refresca!

Fernanda-uma-pessoa disse...

Aleluia, irmã! Ousou e arrasou! Adorei esse libertar-se aí!!! Danem-se antigos pudores, siga em frente!

Fernando disse...

A arte dos versos livres. Libertando os sentimentos contidos em formas de palavras.

Abç.

Rynaldo Papoy disse...

Oi, linda, tudo bem? Muito obrigado por entrar no meu blog e comentar meus textos. Foi muito difícil fazer algo sobre Jairo Ferreira, ninguém quer falar dele. Depois eu vejo com mais calma seu blog. Me add no papoy@hotmail.com . Bjs.

Shasça disse...

Versos curtos, pero non grossos

{8¬)

Sérgio Bernardo disse...

Dá-lhe, poeta D1d0n3! Todos excelentes. Por que não põe todos eles também no Twitter? Bjos